Cinco dicas para preparar uma lancheira saudável para seu filho

Lancheira saudável

A volta às aulas está chegando e com ela a animação e a ansiedade das crianças se tornam ainda mais presentes no dia a dia dos pais. É hora de checar uniformes, material escolar  e,  claro,  planejar  e  organizar  como será a lancheira dos pequenos, para que eles tenham uma alimentação saudável fora de casa.

A preparação da lancheira requer tempo, paciência e disposição dos pais que querem fugir dos alimentos ultraprocessados, fritos ou açucarados – frequentemente encontrados na maioria das cantinas das escolas brasileiras – além da preocupação em agradar paladares tão críticos nessa idade.

Manter uma alimentação leve e saudável é um hábito essencial que garante qualidade de vida e prevenção à inúmeras doenças, podendo ser adquirido, principalmente, nas primeiras fases de vida da criança. Por isso, sempre que possível, tente introduzir na rotina de casa o consumo de alimentos saudáveis e naturais.

Lancheira saudável

Confira as dicas que o chef de cozinha,  Amilcar Azevedo, preparou  para  os  papais  que  não  sabem  o que fazer nesse momento:

1. Na ponta do lápis!

As crianças gostam de saber o que vai acontecer ao longo do dia, então seguir uma rotina evita estresse e ansiedade desnecessários, além de colaborar para que elas cresçam seguras e independentes. Por isso, faça um planejamento semanal e organize o que gostaria que seu filho comesse na escola durante os cinco dias da semana.

2. Natureba, sim.

O óbvio também precisa ser dito. Ofereça sempre alimentos in natura para seu filho: evite açúcares, refinados ou conservantes. Uma alimentação leve e equilibrada permite que as crianças recebam todo o aporte de vitaminas e nutrientes e sejam menos suscetíveis a doenças  relacionadas  à obesidade – que aumentou 600% em 30 anos, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

3. Ultraprocessados nunca mais.

Os alimentos ultraprocessados são grandes vilões da alimentação infantil. De acordo com um estudo da Universidade de Glasgow, as comidas ultraprocessadas de bebês costumam ter vegetais mais adocicados, o que implica em uma mudança no paladar das crianças. Além disso, esses alimentos possuem calorias vazias, ou seja, não agregam valor nutricional ao produto.

4. É preciso insistir!

Se não é fácil inserir novos hábitos na vida de um adulto, imagine na de uma criança! Por isso, é normal que elas não queiram provar novos alimentos nessa fase. Mas não vale desistir. Tente uma, duas, dez vezes… Só com  foco e determinação é possível introduzir mudanças sutis e que trarão resultados significativos para vida da família.

5. O novo é sempre legal.

A última dica para montar a lancheira saudável é apresentar alimentos novos sempre que possível. A curiosidade dos pequenos pode ser uma aliada nesse momento, portanto use e abuse de cores e formatos diferentes para incentivar o hábito de comer alimentos saudáveis e nutritivos desde cedo.

 

Fonte: Amilcar Azevedo, chef de cozinha.

 

Leia também:

 

Sono constante pode ser resultado da má alimentação infantil

 

Como cuidar da alimentação das crianças nas férias? 

 

Seis dicas para melhorar a alimentação das crianças

 

Este conteúdo é publicado na revista NA MOCHILA e compartilhado pelo Programa Escolas do Bem, do Instituto Noa.