Instituto Noa expande programa “Escolas do Bem” para todo o estado de São Paulo

escolas-do-bem

Escolas públicas ou privadas podem integrar essa grande rede do bem e ampliar o conhecimento dos adultos sobre a Primeira Infância.

Uma ONG focada em comunicação, uma união entre escolas que se preocupam com um futuro melhor às nossas crianças e uma cidade inteira disposta a contribuir com os Objetivos de Desenvolvimento da ONU. Essa é a proposta do Instituto Noa com o programa “Escolas do Bem”: criar uma grande rede para ampliar o repertório do conhecimento de pais e educadores sobre os cuidados e o desenvolvimento da criança, além de melhorar o bem-estar e a qualidade de vida de toda a população.

Fundado pela jornalista e professora universitária, Lucy De Miguel, o Instituto Noa tem como proposta promover os direitos da criança e do adolescente por meio da comunicação. “Utilizamos da capilaridade do jornalismo para levar orientações importantes às famílias sobre os cuidados com a criança, principalmente entre 0 e 6 anos”, afirma a fundadora.

Trata-se do primeiro projeto de responsabilidade social voltado para as escolas. Atua em duas frentes principais: com os pais e os educadores, envolvendo as escolas públicas e privadas. O programa teve início em novembro de 2015 nas cidades de Sorocaba, Itu, Itapetininga e outros 9 municípios desta região. Nesse primeiro ciclo de trabalho, engajou 60 escolas particulares, beneficiando mais de 15 mil famílias.

Em 2018, as inscrições estão abertas para outras regiões do Estado de São Paulo, incluindo a Capital.

Como funciona
As escolas que querem aderir ao programa passam a contar com ferramentas de comunicação com as famílias, os educadores, a comunidade e outros públicos com os quais se relaciona. Os veículos de comunicação deste projeto levam orientações sobre os cuidados com as crianças. O programa dissemina conhecimento produzido por organizações de referência nos temas relacionados à infância, como Unicef, Organização Mundial da Saúde, Fundação Abrinq, Fundação Maria Cecília Souto Vidigal, entre outros.

“É uma espécie de programa da família, porém em uma escala muito maior, pois utilizamos ferramentas de comunicação que atingem um grande público e com informações precisas”, explica a jornalista.

Neste ano, o programa passa a contar com uma plataforma de cursos livres para aperfeiçoar as habilidades dos educadores, com conteúdo de excelente qualidade sobre a primeira infância. E sem custos para as equipes das escolas.

Segundo a idealizadora do projeto, “ser uma ‘Escola do Bem’ é ter um reconhecimento perante a cidade inteira sobre um trabalho que muitas escolas já realizam, que é o de contribuir com alguns dos Objetivos de Desenvolvimento da ONU, mas não se dão conta”, explica.

O Programa Escolas do Bem está com inscrições abertas para o ciclo 2018. As escolas interessadas em participar desta grande rede do bem podem conhecer mais detalhes pelo site: www.escolasdobem.com.br ou entrar em contato por e-mail: eusou@escolasdobem.com.br.